DINOSSAUROS

Anúncios

Concentre-se No Alvo

“Chegai-vos a Deus, e Ele Se chegará a vós outros.”
Tiago 4:8

Aprender a andar de bicicleta foi um desafio para mim. Em primeiro lugar, a família tinha uma bicicleta para quatro crianças, de modo que a competição era acirrada. E eu, sendo a tímida, não lutava pelos meus direitos. Em segundo lugar, a bicicleta era grande demais. Os meus pais, não tinham dinheiro para comprar uma bicicleta para iniciantes, se é que havia uma coisa assim naquela época, para depois comprar mais bicicletas ao crescermos. Uma bicicleta, grande, servia para todos. E aprende, se quiseres, ou então espera até cresceres.

Finalmente chegou o dia de eu testar as minhas habilidades. Decidi ser uma vencedora sobre duas rodas. Com um irmão de cada lado a segurar na bicicleta até a montar, e entre ordens de “Firme… Pronto?” coloquei os pés em acção. Antes de ter ido muito longe, ouvi gritos de “Vire à direita!” e “Vire à esquerda!” De modo previsível, a bicicleta e eu caímos no chão. Os meus irmãos, por fim, cansaram-se dos meus fracassos e deixaram-me sozinha para arranjar uma forma de aprender a ter equilíbrio.

Com uma atitude de “vou-lhes mostrar”, carreguei um enorme toco de pilha de lenha para servir de degrau para montar na bicicleta. Lentamente fui progredindo. A cada tentativa, eu demorava um pouco mais para perder o equilíbrio e cair. Finalmente, eu tinha aprendido a andar de bicicleta. Quão orgulhosa estava no dia em que dei um espectáculo para a minha família! Entre a casa e o celeiro havia uma suave elevação. Ao pé da elevação havia uma portinhola de aproximadamente de um metro de largura. Achei que seria uma interessante proeza descer a colina, passar pela portinhola e dar uma volta ao celeiro. Com todos os olhares concentrados em mim, montei na bicicleta e parti. Travei um pouco ao descer a colina, mas também queria exibir alguma velocidade. Ao aproximar-me do portão, o espaço pareceu-me muito estreito. Conservei os olhos fixos no muro do lado esquerdo, para ter a certeza que não ia bater nele.

Maus cálculos! Bati no muro de frente e saí voando por cima do guiador. Aquele foi o dia em que aprendi: “Olha para o ponto para onde queres ir, e não para o que tens de evitar!”

Existe alguma semelhança com as tentações! A melhor maneira de evitar o mal é afastar-se das tentações pecaminosas. Concentra-te no que é verdadeiro, puro, bondoso e santo. Mantém os olhos em Deus, e não nas seduções de Satanás!

Dia 23 de Abril – Edith Fitch
Sinfonia de Louvor – Meditação da Mulher 2007

BISCOITOS DA MÃE – II

“A violência não chegará perto da sua casa.”

SALMO 91:10

A mãe veio cumprimentar os homens à porta. Derramou um pouco de água quente numa bacia, para lavarem as mãos. O calor do fogão, o aroma da comida e a limpeza da cozinha eram uma nota de boas-vindas aos estranhos.

Depois que todos se sentaram ao redor da mesa, o pai pediu as bênçãos sobre os alimentos.
– Esses biscoitos estão com um cheiro apetitoso – falou o homem de cabelo comprido, enquanto a mãe os tirava do forno e os empilhava sobre um prato.
– A sua esposa é uma óptima cozinheira, e a sua filha é linda como uma pintura – comentou o homem de rosto cabeludo.
– Estamos felizes porque vocês passaram e pararam aqui – disse o pai. – Raramente temos visitas aqui nas montanhas.
– Sei o que está querendo dizer – disse o terceiro homem, pegando o quarto biscoito. – Eu tive uma pequena menina igual a esta, mas morreu de difteria, quando a epidemia atravessou este país a alguns anos atrás. Levou também a minha esposa. Desde então, não tenho mais um lar, e peregrino de um lugar para outro.
Depois que comeram o quanto puderam, a mãe serviu creme de maçã com creme de leite. Ela ainda embrulhou mais biscoitos para levarem.

Após os três terem montado nos cavalos, o homem do cabelo comprido disse: – Acho que sabem o que mudou os nossos pensamentos!

Bertha perguntou ao pai o que o homem quis dizer quando falou em mudança de pensamentos. Sorrindo, o pai disse:
– Creio que queriam assaltar-nos. Porém, os biscoitos da tua mãe, a oração sobre os alimentos e a bondade que Deus colocou no nosso coração produziram a mudança que le mencionou.

O pai conduziu a família para dentro de casa, onde todos se ajoelharam e agradeceram a protecção. Esta família dói muito sábia, pois colocou em prática aquilo que Deus quer que todos sejamos: bondosos!

HISTÓRIAS INESQUECIVEIS – INSPIRAÇÃO JUVENIL
ANI KÕLHER BRAVO

OS BISCOITOS DA MÃE – PARTE I

“Muitas vezes [estive] em perigos de salteadores.”
II CORÍNTIOS 11:26

O pai falou em tom de urgência para a mãe levantar e se vestir rapidamente, pois alguns ‘cavaleiros’ estavam a chegar. Os filhos também acordaram. Era muito cedo e o pai acendeu a lamparina de querosene. Então correu para ir buscar lenha e fazer o fogo. Naquele lugar, muitos ladrões e assaltantes rondavam as fazendas e os sítios.

Logo a mãe, estava apressada na cozinha, a prepara os seus deliciosos biscoitos. O fogo estava alto e o forno bem quente quando os biscoitos foram colocados lá dentro. Se ainda estava escuro, como é que o pai sabia que aqueles cavaleiros estavam a vir? Ele era um grande observador da natureza. Quando as rãs, grilos e outros animais ficavam em silêncio, era sinal de perigo. Com o ouvido no chão, o pai percebia as vibrações das patas dos cavalos que se aproximavam.

Bertha foi buscar o leite que a mãe pediu. Como estava nervosa, veio a derrama-lo todo pelo caminho. O pai estava com atenção à estrada. Assim que os viu a aparecer, gritou para a mãe a dizer que eram três.

Ao chegarem, o pai cumprimentou-os e foi ajudar a cuidar dos cavalos. Disse-lhes que fossem lavar as mãos, pois deviam estar com frio, cansados e com fome. O café da manhã já estava pronto. Eles desmontaram, e o pai pediu que John, o filho, levasse os cavalos até ao estábulo e lhes desse algum feno.

Bertha ficou a espiar atrás das cortinas. Aqueles homens eram muito feios! Um tinha o cabelo escuro, comprimo e meio enrolado, e saia por baixo do chapéu. Ela não gostou da forma que ele olhou para o pai. Outro tinha costeletas cinza, com barba ruiva, e um bigode meio amarelado por causa de alguns fios brancos misturados. O terceiro era o que mais assustava. A sua face era uma confusão de pêlos misturados com fios de barba. Usava um lenço vermelho à volta do pescoço e tinha um chicote.

Bertha orou novamente: “Querido Deus, não deixes que estes homens façam mal ao meu pai ou a alguém de nós.”

Querem saber o que aconteceu? Então, não deixem de ler a continuação da história amanhã.

HISTÓRIAS INESQUECIVEIS – INSPIRAÇÃO JUVENIL
ANI KÕLHER BRAVO